Páginas

terça-feira, 15 de setembro de 2015

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE (PSC): CASO DA BIBLIOTECA SETORIAL DE CIÊNCIAS HUMANAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEL (BS/CH-SB/UEL)

Roseli Inácio Alves
Bibliotecária responsável pela Biblioteca 
Setorial de Ciências Humanas do SB/UEL

          Motivar a volta ao convívio social, certificar os direitos dos cidadãos envolvidos em cumprir a pena nos locais, e refrear a reincidência dos atos ilícitos, é o foco do programa de Prestação de Serviços à Comunidade. A participação dos envolvidos é essencial para o sucesso do programa, bem como das pessoas que os recebem, ou seja, a sociedade e o Estado. É dever recebê-los e inseri-los numa relação social, não como uma punição ao ato, mas sim como forma de aprendizado no contexto de trabalho.
Desde 2001 o Sistema de Bibliotecas da UEL tem recebido colaboradores para prestação de serviços à comunidade, em todas as suas unidades. A Biblioteca Setorial de Ciências Humanas, por sua vez, já recebeu nesse período 66 beneficiários que contribuíram muito na prestação de serviço à instituição.
Com o intuito de auxiliar no processo de reinserção social, a BSCH colocou-se como instituição receptora dos beneficiários do Patronato Penitenciário de Londrina. Nesta biblioteca setorial, tem-se o cuidado e responsabilidade de orientar os serviços, tais como: higienização de material de informação, controle de portaria, manutenção predial, digitação, reposição de material nas estantes, entre outras atividades, tentando inserir no cotidiano da mesma forma como se fossem funcionários, com as regras básicas necessárias para o bom andamento do setor.
O trabalho de acolhida desses beneficiários, realizado pela BSCH, em especial, é de suma importância, oportunizando aos que necessitam, o retorno ao convívio social enquanto cidadão, resgatando, consequentemente, valores que, muitas vezes, encontravam-se adormecidos.
Um caso recente da BS/CH é da beneficiária que presta serviços por 14 horas semanais, e que necessita cumprir uma carga horária total de 1.095 horas.
Desde o início mostrou-se familiarizada com o setor, oportunidade em que deu um feedback de como se sente em relação às pessoas e trabalho neste momento de sua vida: “No início foi muito difícil, porque quando somos obrigados a fazer algo nunca encaramos com bons olhos e ainda mais quando pensamos que somos excluídos [...] Apreensiva e com ansiedade iniciei meu trabalho que para minha surpresa fui muito bem recebida, tratada como uma trabalhadora normal com respeito e amizade e muito carinho pela responsável da Biblioteca e pelos colegas que me ensinaram todo o trabalho, e que faço com muita satisfação por que sinto que sou útil e cada dia de trabalho é um novo aprendizado [...]. Enfim, essa que era para ser uma experiência ruim, pelo contrário, conheci pessoas humanas, e um ótimo ambiente de trabalho. Aprendi também que devemos enfrentar os nossos medos e sentir que também podemos ser importantes e deixar o passado para trás, iniciando uma nova vida, acima de tudo com a cabeça levantada saber que podemos ser respeitados.(Depoimento beneficiária, 2015).
Com novas perspectivas, os patronatos têm um novo olhar para o futuro, sentindo-se capazes de uma nova reinserção dos beneficiários na sociedade. Como unidade acolhedora, a BSCH se sente cumpridora dessa assistência.
O Patronato Penitenciário de Londrina (PLDA) – Dr. Héber Soares Vargas, nos termos do Decreto Estadual nº 3.877 de 11 de abril de 2001, é um órgão da Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania e subordinado ao Departamento Penitenciário do Estado do Paraná-DEPEN, destinando-se à execução das penas em regime aberto, através da assistência jurídica, social, psicológica, pedagógica e cultural aos apenados à Prestação de Serviços à Comunidade (PSC).
O Estado do Paraná vem adotando uma política de vanguarda na área de execução penal. Basta lembrar que este Estado é o único da Federação a contemplar dois Patronatos Penitenciários, e uma política ostensiva de apoio ao apenado, ao egresso e seus familiares. Para isso, conta com o apoio de uma extensa rede de programas de assistência ao egresso, denominados “Programas Pró-Egressos”, que supervisionados pelos Patronatos, promovem a assistência ao apenado e ao egresso em todas as regiões do Estado do Paraná (PLDA).
Esta readequação da conduta social dos assistidos tem revelado o valor da auto-estima e subsequente volta ao trabalho. Cada um que passa por nós tem uma história e nos retribuem, na grande maioria, com a gratidão. Recentes aprovações de detentos no vestibular da instituição comprovam o sucesso do programa e o comprometimento do beneficiário, lembrando que o Patronato é um modelo consolidado, mas deixa espaço para outras ações e iniciativas.

REFERÊNCIA

PARANÁ. Secretaria Departamento de Execução Penal - DEPEN. Patronato Penitenciário de Londrina – PLDA. Disponível em: http://www.depen.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=42. Acesso em: 21 jul. 2015.