Páginas

terça-feira, 25 de agosto de 2015

UMA FÁBULA-VERDADE

Profª Drª Sueli Bortolin
Departamento de Ciência da Informação/UEL

Fui convidada para contar uma história e acabei construindo uma fábula-verdade.
Era uma vez uma mulher quarentona, que tinha um humor tão grande que adorava os ruídos ao seu redor, para ela os blablablas dos autores, dos personagens, dos alunos entre as estantes era pura alegria!
Em suas mãos uma fruta de grande importância nutritiva, mas sem muito valor social, pois é fácil de encontrar.
Ela degustava essa fruta com uma sabedoria invejável.
OLHAR PARA OS LADOS E PERGUNTAR – Como?
OK Mário Quintana: “Os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.”
Ela trabalhava muito – manhã – tarde – noite, incluindo os sábados. Sempre disposta a receber e partilhar...
Um dia, como nem todos a conhecia resolveu dar de presente, uma filha. Essa filha tem hoje 10 anos.
No começo foi difícil, pois as pessoas achavam ser desnecessário colocar mais 1 filha no mundo, pois tinha 3 morando em diferentes pontos da cidade. Uma ligada à saúde, outra a justiça e outra interessada nos cuidados bucais!
Assim, a ideia de ter uma filha morando no mesmo bairro era, no mínimo, um despropósito.
Mas a mulher, que se chamava Sistema, tem fibra e hoje, quando vê a filha caçula atendendo tanta gente com afinco, mesmo tendo um corpo pequeno, menor do que o necessário, não se arrepende...
A filha para deixá-la feliz lembra que saudável é aquele que tem macaquinhos no sótão e pode com eles, assim como aquele doutor-de-bicho-gente, desejar fazer o outro pensar: NADA OUÇO – NADA VEJO – NADA FALO, porém NADA PENSO, JAMAIS!
Entre Meu Caro Leitor – Estou repleta de textos e aqui é lugar de pensar... pensar... pensar...e reinventar.

Agosto/2015
Fábula narrada em comemoração aos 10 anos da BS/CH